Advogados do Brasil e de Portugal! Todos os advogados de defesa on-line.


Português crise de sucessão de - advogados Brasileiros


Ranuccio tornou-se campeão do Duque de Parma, em

Portuguesa crise de sucessão de, veio como um resultado da morte do jovem Rei d

Sebastião I de Portugal na Batalha de Alcácer Quibir, em, e o seu sucessor (e tio-avô) Henrique I, em.

Como Sebastian e Henry não tinha imediato herdeiros, estes eventos pedido de uma crise dinástica, interna e externa, batalhas entre os vários pretendentes ao trono português, além disso, porque o Sebastian corpo nunca foi encontrado, vários impostores surgiram ao longo dos próximos anos, alegando ser o jovem rei, mais confusa a situação. Em última análise, Filipe II de Espanha ganhou o controle do país, unindo o português e o espanhol Coroas a União Ibérica, uma união pessoal, que iria durar sessenta anos, tempo durante o qual o Império português se recusou. Henrique, Sebastião tio-avô, tornou-se governante na imediata sequência de Sebastian morte. Henry tinha servido como regente de Sebastian depois de, e o sucedeu como rei após a desastrosa Batalha de Alcácer Quibir, em. Henry renunciou à sua secretaria e procurou tirar uma noiva para a continuação da dinastia de Avis, mas o Papa Gregório XIII, filiados com os Habsburgos, não libertá-lo de seus votos. O Cardeal-Rei morreu dois anos mais tarde, sem ter nomeou um Conselho de Regência para escolher um sucessor. Nobreza portuguesa estava preocupado com a manutenção de sua independência e procurou ajuda para encontrar um novo rei.

Por esse tempo, o trono português foi disputada por vários reclamantes.

Entre eles estavam: Os descendentes da Duquesa de Bragança obtido o trono em (na pessoa de seu neto João IV de Portugal), mas em, ela foi apenas um dos vários possíveis herdeiros. O herdeiro por primogenitura era seu sobrinho Ranuccio Farnese, sendo filho de Catarina de final irmã mais velha, Maria, seguido por seus irmãos, em seguida, a Duquesa ela e seus filhos, e só depois deles, o Rei Filipe. Filipe II era um estrangeiro (embora sua mãe era portuguesa) e descendente de d. Manuel I, por uma linha feminina quanto para Anthony, embora ele foi d. Manuel I, o neto na linha masculina, ele foi de nascimento ilegítimo. -year-old Ranuccio Farnese, Hereditária, Duque de Parma e Piacenza, era neto do Infante d.

Duarte de Portugal, filho de Manuel Eu, cujos legítimos descendentes sobreviveram naquela época.

Ranuccio estava de acordo com a primogenitura, o herdeiro ao trono de Portugal. No entanto, seu pai, Alessandro Farnese, Duque de Parma foi um aliado e, até mesmo, um assunto do rei espanhol, outro candidato, de modo a Ranuccio direitos não foram muito forçosamente afirmou na época.

Em vez disso, Ranuccio mãe, irmã de Catherine, Duquesa de Bragança, reivindicou o trono, muito ambiciosa, mas falhou.

Fernando, Duque de Viseu, segundo filho do Rei d

Catherine era casado com d. João I, Duque de Bragança, descendente em linha masculina de Afonso I, Duque de Bragança, filho ilegítimo do Rei d. João I de Portugal), que era neto do falecido Duque Jaime de Bragança, também um legítimo herdeiro de Portugal, sendo o filho da Infanta d. Isabel, irmã de d. Manuel I e filha do Infante d. A duquesa também teve um filho, D. Teodósio de Bragança, quem seria sua real herdeiro e sucessor do trono. O duquesa de reivindicação foi relativamente forte, como também foi reforçada por seu marido, a sua posição como um dos legítimos herdeiros, assim, ambos seriam o direito de manter o reinado.

Além disso, a Duquesa estava a viver em Portugal, não no exterior, e não era menor de idade, mas a idade de quarenta anos.

Seus pontos fracos eram a sua gênero (Portugal não tinha tido geralmente reconhecida como rainha reinante), e de sua segunda filha, há, portanto, existente um genealogicamente sênior requerente. António, Prior do Crato foi um requerente do trono português, durante a crise de e, de acordo com alguns historiadores, o Rei de Portugal (durante um curto período de tempo (dias), em, em Portugal continental, e desde então até, nos Açores).

António era o filho ilegítimo do Infante d.

Luís, e, portanto, neto do Rei d. foi precisamente por causa de sua ilegitimidade de que sua reivindicação ao trono era fraco e considerado inválido. Após a morte de d Sebastião, Antonio apresentou a sua própria afirmação, mas suas pretensões foram negligenciados em favor do Cardeal d. Henrique Em janeiro de, quando as Cortes Gerais foram montados em Almeirim para decidir a respeito de um herdeiro, o antigo Cardeal-Rei Henrique morreu e a Regência do Reino, foi assumido por um Conselho de cinco membros.

Filipe II de Espanha conseguiu trazer a aristocracia do reino como suporte para o seu lado.

Para a aristocracia, uma união pessoal com a Espanha iria revelar-se altamente rentável para Portugal em um momento em que as finanças do estado estavam sofrendo. António tentou seduzir as pessoas para a sua causa, comparando a situação atual para que a Crise de.

Então, assim como em, o rei de Castela tinha invocado o sangue de descida para herdar o trono português, e o Mestre de Avis (d.

João I), filho ilegítimo de d. Pedro I, declarado o seu direito ao trono, na Batalha de Aljubarrota, que terminou com uma vitória para João tropas, e nas Cortes de Coimbra em. Em de julho de, António proclamou-se Rei de Portugal, em Santarém, seguido por aclamação em vários locais em todo o país doméstico governo durou vinte dias, até que ele foi derrotado na Batalha de Alcântara pelos Habsburgos exércitos liderados pelo Duque de Alba. Após a queda de Lisboa, ele pretendia governar o país a partir da Ilha Terceira, nos Açores, onde ele estabeleceu um governo no exílio até António ainda tinha moedas cunhadas uma típica afirmação da soberania e realeza. Alguns autores o consideram o último monarca da Casa de Aviz (em vez do Cardeal-Rei Henrique) e o º Rei de Portugal. Seu governo na ilha Terceira, só foi reconhecida nos Açores, enquanto que no continente e nas Ilhas da Madeira, o poder foi exercido por Filipe II, que foi aclamado rei, em, como Filipe I de Portugal e reconhecido como oficial o rei pelas Cortes de Tomar, em.

O novo rei da eleição foi realizada a condição de que o reino e seus territórios ultramarinos deve permanecer separada da Espanha e de manter as suas próprias leis e Cortes.

Depois de a sua derrota nos Açores, António foi para o exílio na França, tradicional inimigo dos Habsburgos e namorou o apoio da Inglaterra.

Uma invasão foi tentada em, sob o comando de Sir Francis Drake, levando o assim chamado em inglês Armada, mas terminou em fracasso.

António continuou a lutar até o fim de sua vida pelos seus direitos ao trono. A questão de Portugal, na verdade, foi invadido pela Espanha é contestado. Filipe II tinha uma legítima pretensão ao trono, mas como acontece com muitas outras lutas dinásticas de idade, foi envolta em controvérsia. Em qualquer caso, a vida era calma e serena, sob os dois primeiros dos Habsburgos reis mantinham o Portugal do estado e deu excelentes posições para português os nobres da Corte espanhola, e Portugal mantido independente de lei, de moeda e de governo. Foi ainda proposto para mover a capital Imperial para Lisboa. No entanto, Portugal viu a sua riqueza diminuindo gradualmente. Mesmo que ele era um estado autônomo, colónias portuguesas sofreram fortes ataques de seus inimigos, especialmente o holandês e inglês. Sessenta anos depois destes acontecimentos, d.

João II, Duque de Bragança aceitou o trono oferecido pela nobreza portuguesa, que se tinham frustrado sob os Habsburgos regra, tornando-se d.

João IV de Portugal. Ele era neto de d Catarina, Duquesa de Bragança, que tinha, em, reivindicou a coroa portuguesa, e filho de Teodósio II, Duque de Bragança (que morreu louco em).

João foi elevado ao trono de Portugal (de que foi realizada em seguida, para ser o legítimo herdeiro) durante o golpe de estado, efectuada no dia de dezembro de contra o Rei Felipe IV.